Blog

Como um implante dentário pode mudar uma vida

Uma das dimensões mais apaixonantes da ciência ligada à medicina, e em particular à medicina dentária, está precisamente na sua dinâmica de evolução e na forma como nos permite dar uma resposta cada vez melhor ao que é verdadeiramente essencial: a saúde e a qualidade de vida dos pacientes.

Problemas que anteriormente eram dados como sem resolução passam a integrar a prática clínica comum. Tomemos como exemplo o caso concreto da reconstrução de uma boca, algo que há relativamente pouco tempo pura e simplesmente não era possível. Ser desdentado, especialmente a partir de uma determinada fase das nossas vidas, era uma fatalidade tida como natural, com consequências gravíssimas na saúde e qualidade de vida das pessoas. Depois surgiram os primeiros tratamentos de correção, as próteses, e de seguida vieram finalmente os implantes dentários. E tudo mudou.

Hoje um implante pode mudar uma vida. A medicina dentária evoluiu de tal forma que a fixação de um dente artificial no maxilar se tornou um procedimento habitual, de extraordinária previsibilidade e eficácia. Este salto é por si só uma evolução notável, mas a investigação e a ciência trouxeram-nos muito mais: se o osso do maxilar estiver degradado, sem possibilidade de receber um implante, hoje também sabemos como reconstruí-lo, mesmo numa fase adiantada da vida do paciente, através dos mais recentes tratamentos de regeneração óssea.

Imagine-se agora um desdentado total ou parcial, alguém que pela falta de dentes se vê privado da funcionalidade normal da sua boca, sendo forçado até a alterar a sua alimentação. Imagine-se uma pessoa que, em resultado desta limitação, tem igualmente dificuldades de inclusão social e profissional, desenvolvendo - ou correndo risco sério de desenvolver - problemas de autoestima ou mesmo questões a outros níveis, como carências nutritivas ou doenças do foro mental. Mais do que um caso individual, estamos a falar de um problema de saúde pública, sobretudo se tivermos em conta exemplos como o de Portugal, país onde cerca de 30% da população apresenta um quadro clínico de total ou severa perda de dentes.

Portugal é apenas exemplo numa Europa marcada por uma esperança média de vida crescente, que se aproxima dos 90 anos. Em 2030, estaremos lá perto! Mas Portugal também é o país de uma das melhores medicinas dentárias do Mundo, referência internacional nos diversos campos de investigação e de prática, nomeadamente no caso dos implantes dentários. Em Portugal desenvolvemos conhecimento e experiência, ao ponto de nos tornarmos inovadores também na prestação dos nossos serviços, para responder não apenas aos pacientes portugueses, mas entrando igualmente no mercado internacional, cumprindo um desafio e oportunidade que se impõe de forma muita clara: se somos referência, por que não tornar Portugal um centro de excelência para todos os procuram estes tratamentos?

Foi por isso que na GSD Dental Clinis desenvolvemos o projeto GSD Dental Holidays, um serviço de Turismo de Saúde, ancorado em Lisboa, a nossa cidade sede e hoje uma das capitais mais procuradas do Mundo, para posicionarmos os nossos serviços de medicina dentária num mercado europeu que está avaliado em cerca de 600 milhões de euros. Temos já hoje muitos pacientes estrangeiros que nos visitam com regularidade, mas acreditamos que, à imagem de outros sectores, através de projetos como o da GSD Dental Holidays, podemos também contribuir para posicionar a medicina dentária portuguesa como mais um sector de crescimento e de internacionalização no nosso país. Sempre procurando mudar um sorriso, sempre procurando mudar uma vida.

Nota: artigo de Gonçalo Dias, Director Clínico da GSD Dental Clinis, na Revista Aspectos (publicação da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa)

Partilhar